23.09.11

Diz o cliché que não há bem sem mal. Que sem escuridão não existe luz.

 

É-me, portanto, natural um agradecimento aos negativos. Como numa polaroid. Do nada, do escuro vem a imagem.

 

Ora, voltemos então aos maus da fita. Porque os há. Porque ou nasceram assim ou porque ficaram assim. São más, essas pessoas, independentemente da origem da maldade. Mas diferem entre si.

 

O meu tipo favorito de pessoas más são aquelas cujo simples presença torna-as intragáveis. Cujo convívio é insuportável. Essas pessoas nunca souberam ser boas e, como tal, têm a consciência disso. Não escondem que são más nem fingem que são boas. São más e pronto.

 

Com esses ainda consigo ir jantar.

 

Do outro lado da coisa, estão os falsos. Os que escondem a falta de carácter, os que disfarçam a mesquinhez, os que parecem bons. Estes prendem-se na ilusão de amizade que passam aos outros. E esperam. Esperam pela melhor oportunidade para mostrar toda a sua podridão. Mas quando mostram - oh, se mostram - é de forma espantosa. É o equivalente a uma barragem cheia a desmoronar-se, engolindo vales e aldeias. 

 

Enquanto o primeiro tipo de pessoas más ainda consegue ter perdão, às segundas é-me impossível tal acto de caridade. 

 

Contudo, ainda bem que existem pessoas más. Proponho até um dia reservado a elogiar e festejar estas pessoas: dia nacional da escumalha, dia internacional dos mesquinhos. Melhor ainda, logo a seguir ao feriado de de Todos os Santos, ter o feriado de Todos os Merdas.

 

E porquê elogiar toda este podridão humana (ou animal, depende da liberdade poética)?

 

Simples, porque sem maus, não há bons. Apesar da constante bosta que se vê no dia-a-dia, há sempre casos que por mais pequenos, chegam para restaurar a sanidade despendida no dia-a-dia. Num quarto escuro a mínima luz é visível.

 

Recordo-me de quando estava num autocarro apinhado a caminho de casa. Estava em pé e reparei numa senhora mais idosa, daquelas com cara de avó muito protectora. Quando o autocarro parou na estação seguinte reparei que essa senhora estava sentada à espera do próximo. Não porque se irritou com as pessoas mas porque quis dar o lugar a outras pessoas. Olhei para ela e pela  cara que fiz ela percebeu a minha dúvida, ''porque estava ela ali, à espera?''. Limitou-se a encolher os ombros e com um sorriso despediu-se. Isto passou-se em 2003. Ainda hoje me lembro. Basta ver uma coisa destas de vez em quando.

 

Portanto, obrigado. Obrigado aos merdas, aos mentirosos, aos traidores, aos que praticam a filha-da-putice todo o santo dia. A todos vós, o meu sincero agradecimento. Fazem-me saber o que não quero ser. 

 

Do Blog Polaroid, por José Maria Barcia.

sinto-me:
publicado por anjinho-diabinho-papudo às 10:51
 O que é? |

Um espaço para entreter, reflectir e sentir
mais sobre mim
GMR MUSIC
Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
17

22

27


Que Horas São?
Dança de Vida
arquivos
2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


tags

todas as tags

investigar
 
Visitas
Viajantes
free counters
StatCounter
View My Stats
comentários recentes
wow. wow. pessoas precisam disto. wow.
Olá SuperGirl - pois está, e para além disso, vive...
Não há dúvida. Esta imagem está demais!!
Sonho, muito obrigado pelas palavras e força. abra...
mais comentados
4 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
links
blogs SAPO